Bem Vindos

Olá Alunos de Pedagogia 5ºsemestre UNISA este blog foi criado para organizar os textos e atividades desenvolvidas em sala de aula, aproveitem



quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Projeto - Evolução dos Sapos



Plano de Aula


Duração: 1 semestre

Ano: 3º ano

Disciplina: Ciências, Português e Artes

Objetivos: estudar a metamorfose, reprodução, alimentação e anatomia dos sapos.

Conteúdo:

* O sapo é um animal anfíbio:

( animais vertebrados que possuem uma fase de vida terreste e outra aquática);
* Existem quase 5 mil espécies de sapos na natureza;

* A maior parte das espécies vive próximas aos rios e lagos, pois a fêmea (rã) necessita de água para colocar seus ovos. Os girinos (filhotes) também necessitam de água para sobreviverem;

* Algumas espécies possuem glândulas na cabeça, onde produzem um veneno tóxico para espantar ou até mesmo matar outros animais que ofereçam algum tipo de perigo;

*Apesar de possuir poucos predadores na natureza, os principais são as cobras e aves de grande porte;

* A principal fonte de alimento dos sapos são os insetos. Capturam os insetos utilizando suas grandes línguas;

* A pele do sapo é mais rugosa e seca do que a da rã (fêmea);

* Espécies mais conhecidas no Brasil: Sapo -Cururu e Sapo-Boi.


Características Principais:


Peso: 400 gramas (macho) e 1,5 kilos (fêmea);

Comprimento: Macho ( 12 cm aproximadamente) e fêmea (25 cm aproximadamente);

Reprodução: A fêmea põe 30 mil avos por ano (aproximadamente).


Fonte: http:// suapesquisa.com/ecologiasaude/anfibios/



Anfíbios

Representados por sapos, rãs e pererecas ( em geral, terrestres), salamandras (terrestres ou de água doce) e cecílias ou cobras-cegas (encontrados em solo úmidos), foram os primeiros vertebrados a ocupar o ambiente terrestre, principalmente graças á presença de pulmões e de dois pares de patas (ou pernas) , mais ainda são dependentes da água ( daí o nome do grupo: anfi = duplo; bio= vida), sobretudo em relação a reprodução com uma larva aquática, chamada de girino.

Em geral a pele é lisa, sem escamas, mantida úmida graças a glândulas mucosas, assim ela tem o papel importante na respiração do animal adulto. Presa na extremidade anterior da boca, a língua é usada na captura de insetos e outras presas, a cavidade nasal comunica-se com a bucal através das coanas, o que permite a entrada de ar mesmo com a boca fechada. Muitos possuem glândulas paratóides, que se abrem nos lados da cabeça, atrás dos olhos e liberam veneno quando conmprimidas.

A fecundação geralmente é externa. O macho abraça a fêmea e, á medida que ela elimina os óvulos, ele lança os espermatozóides. Do ovo forma-se o girino, larva com cauda, sem pernas e de respiração branquial. Ele evolui para o estado adulto passando por metamorfoses, que no caso dos sapos implicam a regressão da cauda e das brânquias e o desenvolvimento das pernas e dos pulmões.

Os anfíbios são divididos em 3 ordens:

Anura: ( anuros, sapos, rãs e pererecas) possuem pernas, mas não cauda.

Urodela: (urodelos, salamandras e tritões) possuem pernas e caudas ( em algumas espécies de salamandras, a larva chamada de axolote, não termina a metamorfose e forma um indivíduo sexualmente maduro.

Gymnophiona (gymnofionos ou apodes; cecílias) apresentam corpo alongado e sem pernas.


fonte: http://www.portalimpactocom.br/

Metodologia
Confeccionaremos cartazes com as crianças na sala de aula, e eles deverão levar figuras de diferentes sapos e trazer informações básicas (nome científico e região que habita).

Iremos cuidar de girinos e e acompanhar seu crescimento no dia a dia, dentro de um aquário que ficará constantemente em sala de aula. Toda a semana iremos fazer anotações em um livrinho confeccionado pelas crianças e pela professora. Ao final todos levarão consigo o caderninho para casa.

Avaliação:

As crianças deverão ser avaliadas no decorrer das aulas e em cada atividade realizada em sala de aula e fora dela.








































terça-feira, 23 de novembro de 2010

Plantando uma planta




Grupo: Ane Caroline, Juliana, Nathália, Maria Cristina

Antes de desenvolver está aula, é necessário que tenha ocorrido algumas aulas anteriormente, em uma aula explicar os tipos de planta, em outra aula mostrar as partes da planta e então aplicar a aula abaixo.

PLANO DE AULA

ANO: Jardim II.

DISCIPLINA: Ciências (Natureza e Sociedade).

CONTEÚDO: Plantar.

MATERIAL: Erva cidreira, garrafa pet, terra e folha de erva cidreira para plantar.

TEMPO: 1 hora.

OBJETIVO GERAL: Compreender o mundo natural, resignificar suas hipóteses e se apropriar do conhecimento científico.

OBJETIVO ESPECÍFICO: Contato com as plantas.

PROCEDIMENTO: Mostrar a erva cidreira, deixar que cheguem perto e manuseiem. Com a garrafa pet fazer um vaso, colocar terra e plantar a folha da erva, terminar explicando dos cuidados que devem ter com ela para que não morra.

AVALIAÇÃO: Observar como foi o envolvimento das crianças e quais foram as principais facilidades e dificuldades que elas tiveram.

Após esta aula, é necessário que haja uma continuação, regar a planta todo dia, cuidar da planta adequadamente, depois da planta crescer as crianças podem levar para casa o vaso, e pode ser feito um chá com a planta também, para mostrar que algumas plantas podem ser boas para nós.


Explicação científica: A erva cidreira se reproduz tanto por semente quanto por estaca ou estaquia, neste caso foi feito a estaquia, aonde se cortam os ramos dessas plantas, enterra-se no solo e a estaca enterrada ganha raízes e começa a desenvolver-se em uma nova planta. Isto só é possível por causa da gema, que é uma região composta por células que ainda não se diferenciaram e que, através de estímulos hormonais, formam as estruturas vegetativas e reprodutivas das plantas.

Terrário - Observando o ciclo da água





Componentes do grupo: Célia Regina, Genoveva Alves, Márcia Pontes e Michele Castanheira









Projeto para o Ensino Fundamental I


Tema: "Observando o ciclo da água"

Faixa etária
6 a 10 anos

Conteúdo
Natureza e sociedade

Objetivos
Explorar desde as primeiras séries os cincos passos de uma investigação científica: observação, registro, questionamento, experimentação e conclusão. Promovendo o conhecimento sócio cultural e natural, incentivando a curiosidade, o interesse no aprendizado, a troca de informações, através de experiências.

Objetivo específico
Observar a ocorrência do ciclo da água no terrário, na natureza e sua importância para a manutenção da vida.

Conteúdos
- Terrário
- Procedimentos de pesquisa, observação, registro e alfabetização científica
- Ciclo da água - evaporação - condensação

Tempo estimado
Dois meses

Materiais necessários
• 1 garrafa pet de 5 litros com tampa
• 1 vareta de pipa com algodão e plástico na ponta para afofar a terra

O solo
• 2 xícaras de pedras
• 4 xícaras de terra adubada

Os vegetais
• 1 ou 2 mudas pequenas de plantas resistentes à falta de água, como suculentas ou grama de jardim

Molhar o terrário com água de modo que as plantas fiquem bem umedecidas.

Desenvolvimento
1ª etapa
Reúna todos numa sala para aprenderam que o planeta Terra é formado por água, terra e ar, estimulando a discussão sobre por que e como o planeta surgiu para aprofundar o conceito. Após a discussão, faça questionamentos do tipo: "para onde vai a água que entra no solo? Onde ela reaparece? E quando ela evapora, para onde vai?", levando os alunos a pensarem o ciclo da água na natureza e a nossa dependência desse ciclo para o abastecimento de água.

2ª etapa
Apresentação do material que será utilizado na experiência científica (construção de um terrário) para incentivar a curiosidade e o interesse sobre o tema, visando realizar trocas de informações diversificadas que possibilite a observação, a exploração e a pesquisa. Solicite que os alunos façam registros das possibilidades e curiosidades.

3ª etapa
Realização do experimento: No aquário de vidro(ou garrafa pet cortada ao meio) coloque várias camadas de solo, pedrisco de jardim, areia, terra e terra adubada. Afofe a terra, plante as mudas e coloque em volta delas o musgo. Regue com a água e junte as duas partes da garrafa pet, lacrando-as com fita adesiva. Deixe a garrafa próximo à uma janela, onde possa receber a luz do sol. Levante questões como: "E no terrário, se ele está fechado, para onde vai a água?..." Com base nas questões levantadas, aos alunos deverão elaborar hipóteses e registrá-las no caderno.

4ª etapa
Discussão das hipóteses levantadas peos alunos. Questione se as plantas sobreviverão. Se sim, por quê? Há necessidade de regá-las? Peça-lhes que observem o terrário várias vezes durante a semana em diferentes horários, até que eles percebam a presença de água dentro dele, em diferentes locais. A água poderá estar visível no fundo do recipiente, sobre as plantas, na tampa do recipiente e/ou laterais. o professor poderá discutir com os alunos como a água apareceu nesses locais.

5ª etapa
Escolham uma planta grande do jardim da escola e amarrem um saco transparente num de seus galhos.Verifiquem o que ocorre. Discuta com as crianças qual é a melhor forma de representar o esquema do ciclo da água e representem-no.




6ª etapa
Peça que os alunos escrevam um texto explicando como eles descobriram o que acontece com a água dentro do terrário. Peça que descrevam o caminho de uma gotinha dentro do terrário, passando pelo solo, pela planta e voltando ao solo. Complete o registro com um desenho do terrário.

7ª etapa
Promova uma discussão coletiva sobre as conclusões tiradas do experimento realizado.

Avaliação
Esta deverá ser feita de acordo com o empenho e participação dos alunos em cada uma das etapas, considerando seus registros e compreensão do tema abordado no experimento.

PLANO DE AULA – ED. INFANTIL / O ELEMENTO AR.






TEMA: O elemento AR



CONTEÚDO:

AR (definição):

1. Fluido que envolve a Terra.

2. O espaço aéreo.

3. O fluido que respiramos.

Ar é o nome da mistura de gases presentes na atmosfera da Terra, ou seja, o ar esta presente em todo o planeta Terra e é fundamental para a existência da vida.

Tanto os seres humanos, quanto plantas e animas, ou seja, todos os seres vivos, necessitam do Ar para viver. O ar é o elemento que respiramos e também utilizamos para encher balões, pneus, mover objetos, gerar energia, etc.

O ar não tem cor, cheiro, gosto e nem som, mas podemos ver a fumaça no ar, sentir o cheiro que se espalha no ar, voar dentro de um avião, asa delta, pára-quedas ou balão, e também ouvir o som do vento.


OBJETIVO GERAL: Entender e Compreender o mundo que as cerca, tanto o físico como o social.

OBJETIVO DAS AULAS: Conhecer e explorar o elemento AR.

Faixa etária dos alunos: 5 a 6 anos (3º estágio).

Tempo necessário: 2 aulas.




ATIVIDADES:

- Levar hipóteses sobre: o que é o ar? Podemos sentir? Pegar? Ver?

- Fazer junto com os alunos exercícios de respiração e sopro;

- Cada aluno deverá encher um balão com ar e depois esvaziá-lo para assim entender a existência do ar;

- Listar com os alunos os animais que voam;

- A professora recita o poema “ser e estar” de Mario Quintana e em seguida discute com os alunos sobre as palavras que aparecem no poema e que precisam do ar para existir;

- As crianças escutam a musica “A borboleta e o passarinho” de Tereza Cristina e Grupo Semente. A professora deve expor algumas palavras retiradas da musica com a sua respectiva imagem ao lado para que as crianças identifiquem as palavras na musica quando a ouvirem pela segunda vez.

- As crianças tentam descobrir a “advinha” proposta pela professora;

- As crianças farão um avião de papel (dobradura) de acordo com a orientação da professora.

AVALIAÇÃO: avaliar o desempenho e o interesse dos alunos a respeito do tema observando o envolvimento de cada um deles durante a aula.


Referências:

Disponível em: http://www.tonomundo.org.br – acesso em 16/11/2010

Disponível em: pt.wikipedia.org/wiki/Ar – acesso em 16/11/2010

Dísponível em: http://www.priberam.pt/dlpo/dlpo.aspx - acesso em 16/11/2010



ANEXOS


POEMA

Ser e Estar - Mario Quintana

A nuvem, a asa, o vento,
a árvore, a pedra, o morto...

tudo o que está em movimento,
tudo o que está absorto...

aparente é esse alento
de vela rumando um porto

como aparente é o jazimento
de quem na terra achou conforto...

pois tudo o que é está imerso
neste respirar do universo - ora mais brando ora mais forte
porém sem pausa definida -

e curto é o prazo da vida...

ADVINHA:

Sou frio,
também sou quente,
sou fraco,
também sou forte.
Nunca posso estar parado,
vejam lá a minha sorte!

R: VENTO


MÚSICA:

A Borboleta e o Passarinho - Teresa Cristina

De galho em galho
Vi voando passarinho
Que de mansinho é que chega a liberdade
De flor em flor a borboleta vem sorrindo
E não se fala de outra coisa na cidade
Ela fugindo de um colecionador
Ele com medo da PM distraída
De vento em vento se encontraram numa flor
E não se fala de outra
coisa nessa vida
Com muitos toques,
ela fez o seu contato
Ele emplumado pra
causar boa impressão

E eram dois a bater asas pelo mato
Sincronizados nos
arroubos da paixão

De galho em galho,
vai voando o passarinho
Que de mansinho
é que chega a liberdade
De flor em flor,
a borboleta vem sorrindo
E não se fala de outra
coisa na cidade
Mas toda história tem
o destino que merece
E a natureza fez por
bem de intervir
De mais a mais,
é cada qual com sua espécie
E não se fala de outra
coisa por aqui

Quem me dera a sua rosa branca de donzela
Por detrás da tranca da janela
Ai, quem me dera
Ô, o passarinho sonhador
Despertou denunciando a minha dor
E acorda toda a passarada
Revoando na roseira
Da moça passarinhadeira

Salve o bem-te-vi
Salve o sanhaço, o coleirinho, o colibri
O curió
Rolinha e chororó

Sabiá
Vai, diz pra ela todo o meu penar
E diz pra ela que eu vivo a esperar


MUSICA: http://www.kboing.com.br/teresa-cristina-e-grupo-semente/1-1025671/

domingo, 21 de novembro de 2010

Plano de Aula - Ação Bacteriana/Conservação dos alimentos














Plano de Aula - Conservação de alimentos -

METODOLOGIA DE CIÊNCIAS

Série: 5º ano

Disciplina: Ciências Naturais

Conteúdo: Ação bacteriana – conservação dos alimentos

Duração: 4 aulas de 50 minutos

OBJETIVOS GERAIS

Desenvolver capacidades de investigar e formular hipóteses por meio de observação e registros através da curiosidade, compreendendo e valorizando hábitos saudaveis e o uso adequado de materiais, evitando riscos a saúde.

OBJETIVOS

Reconhecer técnicas de conservação de alimentos como: resfriamento e adição de substância, sal, conservantes e ácidos .

Reconhecer sinais de transformações como: bolores, colônias de bactérias e gases, que ocorrem com a deterioração de alimentos ou de suas embalagens quando não são conservantes.

PROCEDIMENTOS

Levantamento de hipóteses

1 - Elaborar experimento deixando uma banana ou maçã cortada em 3 lotes: um em contato com ar, outro em vidro( sucata) fechado e o último regado com suco de laranja, limão ou vinagre, que são substancias químicas acidas . Antes do experimento registrar as hipóteses sobre o que pode acontecer e os resultados observados depois de uma ou duas horas.

2 – Pesquisar a função das ações das bactérias nos alimentos, as embalagens estufadas, por exemplo, que são jogadas no supermercado entrevistando os funcionários

RECURSOS

1 banana ou maçâ

1 vidro com tampa

Suco de laranja, limão ou vinagre

Cadernos de registros

1 lata de conserva para a leitura do rótulo

Papel pardo ou cartolina


PRODUTO FINAL

Elaborar um cartaz com as informações pesquisadas e fixar no mural da sala de aula.

AVALIAÇÃO

Participação

Comentários

Interesse

Registros e Conclusões

BIBLIOGRAFIA

Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para o Ensino Fundamental: ciclo I/Secretaria Municipal de Educação - São Paulo:SME/DOT, 2007.


quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Trabalho Terrário para Educação Infantil




PLANO DE AULA - Grupo de Elenice e Edilaine e cia.


Terrário - Ciclo da Água - Educação Infantil.


A GOTINHA PLIM PLIM



video






DISCIPLINA: Ciências Naturais;

TURMA: Educação Infantil - 4 e 5 anos;

DURAÇÃO: 2 horas;


OJETIVO GERAL:

  • propiciar condições de construir uma visão da realidade;



  • compreender o mundo material, físico e social;



  • explorar de modo integrado as categorias conceituais de tempo e espaço.

OBJETIVO ESPECIFICO:

  • adquirir o conceito de ciclo da água na natureza.

CONTEÚDO: O ciclo da água.


DESENVOLVIMENTO: Em roda iniciar a conversa sobre o ciclo da água na natureza, levantando conhecimentos prévios dos alunos sobre o assunto. Anotar em um cartaz as hipóteses dos alunos. Após discussão, mostrar os slides e contar a histórinha: "A gotinha Plim Plim"; conversar novamente com os alunos, revendo as hipóteses que foram apresentadas anteriormente.

OBJETIVO ESPECIFICO:

  • Observar o ciclo da água.

DESENVOLVIMENTO: Produzir com as crianças um terrário, com os matérias adequados, estimulando-os a observar e relatar oralmente o que veem; a professora irá anotar os relatos em outro cartaz e fixar na parede da sala, em seguida pedir aos alunos que desenhem o que foi observado, criando assim um mural coletivo sobre a observação do ciclo da água, realizada através da experiência em sala.





O terrário: é um recipiente de vidro com pedras, carvão, terra e plantas que permite observar o funcionamento do mundo natural.







RECURSOS MATÉRIAIS:

  • Data-show para apresentação da história "A gotinha Plim Plim";

  • Cartaz de papel pardo e caneta esferográfica;

  • Vidro (tipo aquário) para montagem do terrário;

  • Pedras, carvão, areia e terra com húmus;

  • pequenas mudas de vegetais, como samambaia, avenca e musgo.

AVALIAÇÃO:

Em roda dialogar com as crianças sobre o conhecimento adquirido na experiência realizada, registrando então suas conclusões através de ilustrações.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:


Brasil. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil/Ministério da Educação e Desporto, Secretária de Educação Fundamental: Brasília: MEC/SEF,1998.3v.:il


Brasil. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Portal do Professor: Ciclo da água [on-line]. Brasília: out, 2008, Disponível em: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnica.html?id=15176, acesso em: 12 nov. 2010.

MONTE, Marisa; BROWN, Carlinos; ANTUNES, Arnaldo. Água também é mar. Rio de Janeiro: EMI, 2000. CD ( Memórais, Crônicas e Declarações de Amor).

PINTO, Gerusa Rodrigues. A Gotinha Plim Plim. Coleção: Encanto e Ternura. Ilustração: Vermelho, Hugo Mattos da Silva. Belo Horizonte: Fapi, s/d. 13p.

PORTO, Amélia; RAMOS, Lízia; GOULART; Sheila. Asas para voar: ciências - ensino fundamental. São Paulo: Ática, 2008.


Revista Nova Escola. Terrário para observar o ciclo da água [on-line]. São Paulo: Abril, nov, 2007. Disponível em : http://revistaescola.abril.com.br/educacao-infantil/4-a-6-anos/terrario-observar-ciclo-agua-423021.shtml, acesso em: 12 nov. 2010.


São Paulo (SP). Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Orientações Curriculares: Expectativas de Apresendizagens e Orientações Didáticas para Educação Infantil/ Secretaria Municipal de Educação - São Paulo: SME/DOT, 2007. 152p.


USP(SP). Ciência à Mão: Como montar um terrário? [on-line]. São Paulo: 2006/8. Disponível em: http://www.cienciamao.usp.br/tudo/exibir.php?midia=ema&cod=_1-1 ,acesso em 12 nov. 2010.


Trabalho - Sentidos Paladar







Série: 
2º ano do Ensino Fundamental I

Duração: 
45 minutos

Disciplina: Ciências

Conteúdo:
Os sentidos: o paladar

Objetivo geral:
Propiciar aprendizagem inicial de conteúdos, saberes e princípios básicos de diferentes domínios do conhecimento humano, considerando que conteúdo escolar corresponde a informações e conceitos.

Objetivo específico:
Experimentar sentido do paladar; reconhecer diferentes sabores; explorar as quatro zonas de sensibilidade da língua.

Materiais:
Alimentos variados com sabor doce, salgado, azedo e amargo e pazinhas de sorvete.

Estratégias/ Procedimentos:
Vendar os olhos de alguns alunos voluntários e pedir que identifiquem qual é o alimento que estão experimentando. Exploração das quatro zonas de sensibilidade da língua, questionando como os alunos conseguiram perceber o sabor e quais sistemas foram usados nesta identificação.



Avaliação:

A avaliação será na participação, no envolvimento e na socialização entre as crianças.

Metodologia científica: Os receptores de paladar estão localizados na língua, agrupados em pequenas saliências chamadas papilas gustativas (cerca de 10.000), visíveis com lente de aumento. Existem quatro tipos de receptores gustativos, capazes de reconhecer os quatro sabores básicos: doce, azedo, salgado e amargo. Esses receptores estão localizados em diferentes regiões da língua.




O sabor dos alimentos não é produzido apenas pela estimulação das células gustativas, mas também pelas células olfativas. É por isso que quando o sentido do olfato é prejudicado por um forte resfriado, por exemplo, a percepção do paladar diminui.

revistaescola.abril.com.br/.../uma-viagem-atraves-dos-sentidos-426253.shtml -